Como iluminar alimentos

Iluminar alimento é muito fácil, basta seguir o seguinte princípio: a luz principal é uma contraluz muito suave, ou seja, grande. Ela vem por trás do alimento e serve para ressaltar o volume, a textura e dar brilho às partes molhadas. Para conseguir essa luz podemos usar uma iluminação natural de uma janela ou usar um grande softbox.

Montada a luz principal, é hora de pensar numa luz secundária, que vai apenas minimizar as sombras provocadas pela luz principal. Essa luz secundária pode estar em um dos lados do alimento ou mesmo iluminá-lo por frente. Ela também deve ser suave, ou seja, provocar sombras com contornos pouco definidos. A luz secundária nem sempre precisa ser uma nova lâmpada, ela pode ser simplesmente um isopor branco ou um espelho que irá refletir a luz vinda por trás do alimento.

Se quiser montar uma iluminação mais sofisticada, então podemos usar uma terceira fonte de luz, essa sim pode ser mais dura, ou seja, ter o contorno da sombra mais definido. Essa terceira luz preferencialmente será colocada em um dos lados do alimento ligeiramente mais atrás dele, para que sua iluminação seja rasante e ressalte bem a textura e o brilho dos elementos que compõem a comida.

A Escola de fotografia Áurea Fotográfica oferece cursos de iluminação em estúdio para produtos, no qual ensinamos não só iluminação de alimentos, mas também de vidros, metais e materiais opacos. Confira o cronograma do curso na página da escola: www.aureafotográfica.com.br

Para mostrar um pouco as possibilidades e facilitar o entendimento sobre a iluminação de alimentos, foi selecionado um conjunto de vídeos que mostra diferentes esquemas de luz. Cada vídeo traz uma especificidade na montagem da iluminação e o conjunto deles dará uma boa noção de como iluminar os alimentos ressaltando suas qualidades e deixando-os com uma aparência bem apetitosa. os vídeos foram colocados em uma sequência que vai desde a iluminação mais simples até à mais complexa. O último vídeo não trata de iluminação propriamente dita, mas traz várias dicas de composição e detalhes que devem ser atentados na hora de fotografar alimentos.

O primeiro vídeo é bastante simples e mostra um esquema básico de iluminação: uma contraluz para criar textura e uma luz lateral para criar volume. Do lado oposto à luz lateral é colocado um rebatedor de papel branco para suavizar as sombras.

O segundo vídeo também é bastante simples e mostra um esquema básico de iluminação usando apenas duas fontes de luz. Uma no fundo para fazer a contraluz e outra à direita do prato. A contraluz dará o brilho necessário à comida e rassaltará a textura do alimento. A luz à direita suavizará as sombras não deixando a foto escura ou contrastada. Observe que para as duas fontes de luz são usados softboxes que deixam as luzes bem suaves.

O terceiro vídeo mostra como iluminar um alimento utilizando flashes dedicados (TTL). Isso é bem bacana, pois esses flashes são bem comuns e acessíveis. Preste atenção que o fotógrafo utiliza o princípio básico da iluminação de alimento, que é uma luz vindo de trás. Para isso isso ele coloca um bloqueador no flash para impedir que a luz atinja diretamente a comida. Assim, o flash ilumina o fundo branco que devolve a luz e ilumina o bolo por trás.

Um segundo flash com uma sombrinha difusora é usado do lado direito para minimizar as sombras formadas na frente da comida.

Quando ele dá um exemplo com o fundo escuro, é interessante notar como ele coloca um guardanapo branco atrás do bolo para realçar os canudinhos que são escuros.

O começo do quarto vídeo mostra apenas a preparação do prato, portanto, se você quiser ver apenas  como é montada a iluminação, pule para o minuto 3:40. o esquema de luz montado pelo fotógrafo é o mesmo mostrado nos vídeos anteriores. O legal do vídeo é que o fotógrafo vai fazendo as fotos experimentalmente e ajustando o que é necessário para que a imagem fique ao seu gosto. Um exemplo, é quando ele aumenta a potência do flash frontal para que as sombras não fiquem tão marcadas.

O próximo vídeo é um pouco longo, porém muito didático. O fotógrafo além de explicar detalhadamente como montou a iluminação, também mostra o cuidado que temos que ter com a preparação da comida, como é o caso de quando ele recheia o bolo com o creme branco.

Quanto à montagem da iluminação, note que ele usa uma grande luz difusa atrás e ligeiramente desçlocada para a esquerda do alimento. Depois ele coloca uma luz pontual à direita para ressaltar a textura do chocolate na fatia do bolo. Ele completa a iluminação colocando um espelho à frente e à esquerda do bolo para iluminar o lado cortado da fatia e minimizar as sombras. Note também que ele coloca um rebatedor branco para criar um reflexo na espátula e não deixá-la tão escura. Esse tipo de reflexo é muito importante nos metais.

O próximo vídeo se inicia com uma entrevista, apenas no minuto 2:57 o fotógrafo mostra como monta a iluminação e faz a foto. Para a iluminação o fotógrafo utiliza um grande softbox sobre o alimento. Essa luz ainda é suavizada com uma tela difusora que pode ser feita de nylon ou papel vegetal. É utilizada uma luz dura atrás, ligeiramente deslocada para a direita para realçar a textura do alimento. Papéis brancos são colocados em toda volta do alimento para rebater a luz e suavizar as sombras.

A partir do minuto 7:35 eles mostram alguns instrumentos utilizados para a preparação da comidaa ser fotografada. Mas o vídeo peca nessa parte, pois eles só comentam sobre esses materiais, mas não mostram como usá-los ou qual o resultado obtido.

O próximo vídeo não é exatamente um tutorial de como montar uma iluminação. O fotógrafo comenta muito rapidamente sobre o assunto, mas as imagens são suficientes para entendermos o processo. O início do vídeo mostra mais a preparação da comida. Apenas no minuto 2:55 é que é mostrado o esquema de iluminação. No minuto 4:55 ele mostra um jeito simples de fotografar um prato visto de cima: monte a mesa no chao! Com isso voc~e pode usar o seu tripé comum.

O vídeo seguinte mostra como a produção da comida deve ser cuidadosa. Cada pedacinho de tomate ou chocolate granulado deve ser cuidadosamente colocado um a um para que a produção fique bem composta e pareça apetitosa. Além disso, eles mostram como pequenos espelhos podem ser usados para iluminar pontos específicos da comida.

Por fim, o último vídeo mostra dicas de como montar a produção de comida, quais pratos usar, como dispor o alimento, uso de utensílios e ingredientes para compor a cena. O audio é em inglês, mas a narradora fala bem devagar, assim, quem tem um inglês intermediário já consegue entendê-la.  É um vídeo cheio de dicas simples que ajuda você a pensar nos diferentes detalhes no momento de fotografar. Uma dica legal é deixar suas fotos bem brilhantes e claras. Isso faz a comida parecer mais fresca e gostosa.

Gostou das dicas? Que tal sair da teoria e ir para a prática? Venha aprender conosco não só as dicas de iluminação, mas também como fazer um sorvete falso que não derrete, como dar brilho na carne e como simular uma bebida gelada. Confira o cronograma do curso na página da escola: www.aureafotográfica.com.br

Anúncios

2 comentários sobre “Como iluminar alimentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s